Buscar

Golfinhos usam propriedades curativas de corais, sugere estudo



No Mar Vermelho, na costa do Egito, golfinhos foram vistos em 2009 fazendo algo incomum. Eles se alinharam para esfregar seus corpos contra os corais.


Eles eram exigentes sobre que tipo de corais esfregavam, notou a bióloga da vida selvagem Angela Ziltener, pesquisadora convidada da Universidade de Zurique que passou os 13 anos seguintes tentando desvendar o comportamento desconcertante.


Os resultados de sua extensa pesquisa sobre a comunidade de 360 golfinhos foram publicados nesta quinta-feira (19).


Ao observar os golfinhos e estudar as propriedades do coral, Ziltener e seus colegas descobriram que os golfinhos parecem usar o recife como uma caixa de remédios: compostos bioativos no muco liberados por dois tipos diferentes de corais e uma esponja do mar provavelmente ajudam os golfinhos a proteger sua pele.


É a primeira vez que esse tipo de comportamento é testemunhado em cetáceos — a ordem científica de mamíferos marinhos que inclui golfinhos, baleias e botos — disse o estudo.


No entanto, algumas aves, mamíferos, insetos e répteis já foram observados usando partes de plantas ou outras substâncias para combater patógenos ou parasitas.


Construindo confiança

Ziltener levou anos de mergulho com a população local de golfinhos para ganhar sua confiança. “Você tem que ser meio adotado pelos golfinhos. Levou tempo para realmente ver todos os segredos”, disse ela.


Os golfinhos apenas se esfregavam contra um coral gorgônio conhecido como Rumphella aggregata, o coral de couro Sarcophyton sp., e a esponja do mar Ircinia sp., observou Ziltener. Além disso, eles usaram os organismos de maneiras diferentes.


Com os corais e esponjas de couro — que são mais compactos e de textura mais dura do que os galhos macios do coral gorgônia — os golfinhos tendiam a empurrar uma parte isolada do corpo e torcê-la, descobriu o estudo.


Em contraste, eles deslizaram seus corpos inteiros no coral gorgônio várias vezes, esfregando várias partes do corpo ao mesmo tempo.


O comportamento dos golfinhos de esfregar contra o coral gorgônio, e a pesquisa de Ziltener foram revelados pela primeira vez em 2017 no documentário da BBC “Blue Planet II” e em vários outros documentários sobre a natureza. No entanto, esta é a primeira vez que um estudo detalhado do comportamento foi publicado em uma revista científica.


Quando em grupos, os golfinhos frequentemente se alinhavam e se revezavam esfregando-se no coral gorgônio. Interagir com o coral couro não parecia ser uma atividade em grupo.


Com o coral de couro, um golfinho às vezes o arrancava do chão e o carregava na boca por alguns minutos, balançando-o — uma ação que fazia com que os compostos vazassem do coral e se espalhassem ao redor da cabeça do golfinho, manchando-o amarelo e verde.


Amostras de coral


Como o recife é protegido, a equipe obteve permissão para coletar pequenas amostras – apenas um centímetro – dos corais e esponjas marinhas usadas pelos golfinhos.


A análise do estudo descobriu que esses organismos continham 17 compostos bioativos, com propriedades diferentes, como atributos antibacterianos, antioxidantes ou hormonais, disse a coautora Gertrud Morlock, química analítica e professora de ciência de alimentos da Universidade Justus Liebig Giessen, na Alemanha.


Os três organismos diferentes mostraram efeitos semelhantes e alguns diferentes, disse Morlock.


“Em comum era que todos os três tinham uma riqueza de atividades antibacterianas e antimicrobianas. E o que era especial para o curral de couro, por exemplo, continha compostos semelhantes ao estrogênio, enquanto os outros dois não.”


“Ficamos surpresos ao descobrir que havia tantos (compostos)”, disse ela. “Achamos que (os golfinhos) selecionam muito claramente esses substratos, e provamos que eles têm compostos bioativos e, quando esfregam isso (o coral), sua pele está em contato direto com essas moléculas”.


Tratamento de pele


O objetivo do comportamento é regular e proteger o microbioma da pele – um pouco como os humanos podem usar um creme para a pele, explicou Morlock.


Ela disse que a equipe de pesquisa não tinha provas definitivas de que os golfinhos estavam usando o coral como uma forma de remédio, embora os golfinhos sofram regularmente de infecções fúngicas e erupções cutâneas.


Nem todos os golfinhos da vagem se esfregam contra os corais. O filhotes com menos de um ano de idade apenas observam, disse Ziltener. Isso levou os pesquisadores a acreditar que o comportamento é aprendido e não inato.


“Inicialmente, esse comportamento pode ter surgido como resultado de um impulso ou instinto, ou apenas por acaso. Talvez, um golfinho com pele irritada esfregou ao longo de um coral aleatório que liberou produtos químicos de cura da pele. O golfinho, aliviado, lembrou-se dos comportamentos e repetiu eles, então ensinaram esses comportamentos a outros, como no caso da população australiana que usa esponjas de nariz de garrafa”, disse Diana Barrett, professora do departamento de biologia da Universidade de Massachusetts Dartmouth, que não esteve envolvida na pesquisa.


“Essa capacidade de lembrar os comportamentos e seus efeitos resultantes e, em seguida, repetir esses comportamentos para tratar futuros problemas de pele adiciona (à) riqueza de evidências de que os golfinhos são inteligentes”, disse ela.


Os golfinhos são vistos há muito tempo como animais altamente inteligentes que são capazes de se comunicar e usar ferramentas, como conchas, para ajudá-los a caçar.

Ziltener disse que é possível que outros animais marinhos usem os corais dessa maneira, mas é difícil observar animais subaquáticos sistemicamente.


Ela apontou que os golfinhos muitas vezes acordam das sonecas para realizar o comportamento de esfregar os corais. “É quase como se eles estivessem tomando banho, limpando-se antes de dormir ou levantar para o dia”, disse.


Por: Katie Hunt da CNN

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/tecnologia/golfinhos-usam-propriedades-curativas-de-corais-sugere-estudo/

3 visualizações0 comentário